Chicago: Demanda faz soja fechar em alta


Os futuros de soja negociados na Bolsa de Chicago (CBOT) fecharam em alta nesta terça-feira (20.11), com sinais de demanda pelo grão produzido nos Estados Unidos. De acordo com o analista Luiz Fernando Pacheco, da T&F Consultoria Agroeconômica, o governo norte-americano não divulgou o destino do grão.


O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) disse que exportadores relataram vendas de 123.567 toneladas de soja para destinos não revelados, com entrega prevista para o ano comercial 2018/19. Essas vendas costumam dar algum ânimo ao mercado”, diz o analista em seu boletim diário


No entanto, Pacheco informa que os analistas observaram que essas entregas têm sido esporádicas e insuficientes para fazer diferença nos enormes estoques norte-americanos, num momento em que a demanda chinesa por soja dos EUA é quase inexistente. Sendo assim, o vencimento janeiro avançou 7,25 cents (0,83%), para US$ 8,81 por bushel.


“Declarações do diretor do Conselho Econômico Nacional dos EUA, Larry Kudlow, contribuíram para o otimismo do mercado. Em entrevista à Fox Business, Kudlow disse que o presidente Donald Trump está confiante em um acordo comercial com a China. ‘Estamos em um momento muito melhor do que estávamos duas ou três semanas atrás’, afirmou”, escreve Pacheco.


Os preços da oleaginosa também passaram por uma correção técnica após terem recuado 2% na sessão anterior. Na segunda-feira, o mercado foi pressionado por novos atritos entre EUA e China. Na cúpula da Cooperação Econômica Ásia-Pacífico (Apec) no último fim de semana em Papua Nova Guiné, o vice-presidente dos EUA, Mike Pence, disse que seu país não vai retirar as tarifas já impostas a produtos chineses enquanto Pequim não mudar sua política comercial.



Fonte: AGROLINK Por: Leonardo Gottems



Posts Em Destaque
Posts Recentes